Sinal metabólico freia migração de células cancerígenas

A metástase, a migração de células tumorais de seu lugar primário, está associada a um mau prognóstico. Uma molécula produzida durante o metabolismo celular limita a metástase, revelando que esse metabólito restringe a progressão do câncer.


O câncer se torna letal quando as células do tumor se espalham de seu local primário no corpo para invadir órgãos distantes - um processo denominado metástase. 

Para que esse evento complexo ocorra, as células devem invadir o tecido circundante, entrar na corrente sanguínea e colonizar outro local, onde se formam os tumores secundários chamados metástases. Vários dos primeiros passos da metástase, incluindo a migração celular, podem ser induzidos pela ativação anormal de um programa de desenvolvimento normal chamado transição epitélio-mesenquimal (EMT), em que as células epiteliais que revestem superfícies corporais assumem as características das células mesenquimais, que possuem propriedades migratórias.

Escrevendo na Revista Nature , Xiongjun Wang, pesquisador Laboratório Chave Estatal de Biologia Celular, Universidade da Academia Chinesa de Ciências, Xangai, China, identificou um mecanismo anteriormente desconhecido pelo qual uma molécula gerada no metabolismo celular inibe a indução da EMT e, portanto, restringe a metástase do câncer de pulmão em camundongos.

As moléculas formadas durante o metabolismo podem ter um papel fundamental no apoio à sobrevivência, proliferação e metástase das células tumorais. As células cancerígenas têm um nível de captação de nutrientes mais elevado do que o normal e vias metabólicas alteradas, e estas propriedades asseguram que os tumores produzem os metabolitos de que necessitam para crescer.

Quando as células tumorais migram para a corrente sanguínea, elas sofrem estresse celular. Isso é caracterizado por um aumento de moléculas chamadas espécies reativas de oxigênio, e alterações metabólicas que combatem esse estresse podem promover metástases. Mas se as vias metabólicas afetam outros aspectos da metástase tem sido pouco compreendido.

Fonte: Nature

Postar um comentário

0 Comentários