Estudo de celular mostra risco de câncer em ratos

Um estudo financiado pelo governo que tenta entender a ligação entre o celular e o câncer determinou que a radiação dos dispositivos causa câncer em ratos machos. 

O Programa Nacional de Toxicologia, indicado pela Food and Drug Administration dos EUA, observou milhares de roedores ao longo de 10 anos para o projeto de US $ 30 milhões , divulgado na quinta-feira. 

Ratos machos expostos à radiação de radiofreqüência, como os usados ​​em telefones celulares 2G e 3G fabricados na década de 1990, desenvolveram tumores cancerígenos em seus corações. Alguns também tinham tumores cancerosos no cérebro e na glândula adrenal.

"Acreditamos que a ligação entre radiação de radiofreqüência e tumores em ratos machos é real, e os especialistas externos concordaram", disse John Bucher, cientista sênior do NTP, em um comunicado . 

Qualquer ligação entre a radiação e os tumores em ratas e camundongos não era clara, disseram os pesquisadores. Além do câncer, o NTP relatou o risco de menor peso corporal entre os ratos recém-nascidos e suas mães aumentou quando expostos a altos níveis de radiação durante a gravidez e lactação. Ainda assim, os roedores cresceram para o tamanho normal, de acordo com os dados.

Mas as descobertas não nos dizem muito sobre qualquer possível risco de câncer para humanos.

"As exposições usadas nos estudos não podem ser comparadas diretamente à exposição que os humanos experimentam quando usam um telefone celular", disse Bucher. 

Os ratos foram expostos à radiação de radiofrequência em todo o corpo, o que não é verdade em relação ao uso humano de celulares (geralmente apenas dispositivos de retenção contra um ouvido ou em suas mãos). Os ratos também foram expostos aos altos níveis de radiação por longos períodos de tempo, cerca de nove horas por dia. A exposição para os ratos começou quando eles estavam no útero, e em 5 a 6 semanas para os ratos envolvidos no estudo. O nível de exposição mais baixo usado na pesquisa foi igual à exposição máxima permitida para usuários de celulares, de acordo com a pesquisa.

A American Cancer Society também lançou dúvidas sobre as implicações do estudo para as pessoas. 

"A incidência de tumores cerebrais em seres humanos tem sido plana nos últimos 40 anos", disse Otis Brawley, diretor médico da American Cancer Society. "Esse é o fato científico mais importante e absoluto".

Além disso, o FDA divulgou uma declaração após as descobertas, assegurando aos americanos que as recomendações atuais para os limites de radiação dos celulares mantêm o público seguro.

Fonte: USA Today

Postar um comentário