Novo método detecta câncer de ovário mais cedo

Um método de rastreio que utiliza testes de sangue pode detectar duas vezes mais casos de câncer de ovário como métodos de teste mais antigos, e que pode levar a mulheres tendo um diagnostico mais cedo, dizem os pesquisadores.

Eles dizem que a nova abordagem analisa a forma como os níveis de uma proteína relacionada com a passagem da doença ao longo do tempo no sangue de uma mulher. 

O método usa uma fórmula para interpretar as mudanças nos níveis da proteína "CA125", informa o pesquisador Usha Menon, MD, professor de oncologia ginecológica da University College London.

Este ano, nos EUA, mais de 21.000 mulheres receberão um diagnóstico de câncer de ovário, de acordo com a American Cancer Society. Mais de 14.000 mulheres irão a óbito por esta causa esperadas para morrer disso. Embora as estatísticas de câncer do ovário atingiam apenas 3% de todos os outro tipos de cânceres em mulheres, ele é que mais letal que qualquer outro tipo câncer do sistema reprodutor feminino . No Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), a estimativa de novos caso (em 2014) foi de 5.680, e dados do INCA aponta que em 2011, o número de mortos foi de 3.027. 

Apenas cerca de 20% dos cânceres de ovário são encontrados no início, porque muitas mulheres não têm sintomas. Quando os sintomas aparecem, eles podem ser vagos, tais como inchaço e dor de barriga.

Pouco frequente, o câncer de ovário é o tumor ginecológico mais difícil de ser diagnosticado e o de menor chance de cura. Cerca de 3/4 dos cânceres desse órgão apresentam-se em estágio avançado no momento do diagnóstico. A maioria dos tumores de ovário são carcinomas epiteliais (câncer que se inicia nas células da superfície do órgão), o mais comum, ou tumor maligno de células germinativas (que dão origem aos espermatozoides e aos ovócitos - chamados erroneamente de óvulos.

Embora os resultados do novo estudo mostram um monte de promessas, "nós não estamos lá ainda", diz Menon. "Sabemos que ter pego o câncer mais cedo, temos sido capazes de tratá-los mais cedo. Mas se isso se traduz em salvar vidas, não sabemos ainda."

Fontes: WebMed e INCA 

Postar um comentário

0 Comentários