Câncer, é preciso conversar sobre sua dor


Este artigo é complemento do assunto que escrevi sobre Câncer, nós precisamos falar sobre a doença, onde falei como para a maioria das pessoas, um diagnóstico de câncer é um evento de mudança de vida comumente evocando sentimentos de choque, medo, raiva, tristeza, solidão e ansiedade. Falando sobre o câncer de parceiros, familiares, amigos e colegas podem ajudar a aliviar esses sentimentos, e ainda muitas pessoas acham difícil. 

E como alteramos nosso comportamento, principalmente pelos efeitos colaterais que o tratamento nos traz, então o que fazer?

Em oncologia, além do tratamento para o câncer em si, o acompanhamento psicológico é fundamental para a recuperação do equilíbrio. A experiência de participação em grupos é uma possibilidade para que a pessoa que vivencia a experiência receba apoio, seja durante ou após o tratamento. 

Não se trata de uma psicoterapia propriamente dita, mas quando se compartilha sentimentos entre iguais, isso tem uma condição de ajuda que é terapêutica e se mostra bastante eficiente. 

Quando as pessoas participam porque querem, por escolha própria, através da ajuda ao outro, também recebem ajuda. Ouvir alguém que já passou pela mesma situação é muito bom, faz com que se acredite que é possível vivenciar a realidade do câncer tendo uma vida com qualidade em vários níveis, inclusive emocionalmente. E o melhor, acompanhado.

A colaboradora  deste blog, a psico-oncologista Carla Maninno, tem um grupo de apoio para pacientes oncológicos, que faz encontros quinzenais, com duas horas de duração em horários variados, na cidade de Porto Alegre/RS. (Interessados solicitem mais informações reservadamente pelo e-mail crmannino@hotmail.com). 

Postar um comentário

0 Comentários