Células-tronco cancerosas rastreadas

Pela primeira vez, pesquisadores podem rastrear linhagem de células dentro de um tumor em crescimento. Neste tumor da pele, as células rotuladas vermelho todoas surgiram a partir de uma única célula-tronco.

Estudos publicado pela revista científica "Nature", tentam responder: Por que um câncer pode voltar a crescer após um tratamento aparentemente bem-sucedido? Os cientistas que assinam três trabalhos indicam que a chave do problema está nas células-tronco (nos camundongos geneticamente modificados para que suas células-tronco ficassem coloridas e para que tivessem câncer)  foram usados para mostrar que é esse tipo de célula que comanda o processo de crescimento do tumor.

É muito cedo para saber se estes resultados - obtidos para tumores do cérebro, do intestino e da pele se aplica a outros tipos de câncer, diz Luis Parada, da Universidade do Texas Southwestern Medical Center, em Dallas, que liderou o estudo do cérebro . Mas se eles fizerem isso, diz ele, "não vai ser uma mudança de paradigma na forma que a eficácia da quimioterapia é avaliada e como a terapêutica é desenvolvida".

Todos os três grupos de pesquisa tentaram resolver essa lacuna de conhecimento através de técnicas genéticas para controlar células. Parada e seus colegas começaram por testar se um marcador genético que rotula adultos saudáveis ​​células-tronco neurais, mas não seus descendentes mais especializados também pode rotular células-tronco cancerosas em glioblastoma, um tipo de câncer no cérebro. Quando eles fizeram isso, eles descobriram que todos os tumores continham pelo menos algumas células marcadas com células-tronco, presumivelmente. Os tumores também continham muitas células não rotuladas .
 
As células não rotuladas podem ser mortas com a quimioterapia padrão, mas os tumores voltam rapidamente. Outras experiências mostraram que as células não marcadas originam predecessores rotulados. Quando a quimioterapia foi emparelhada com um truque genético para suprimir as células marcadas, diz Parada, os tumores encolheram em "vestígios residuais" que não se assemelham glioblastoma.

Fonte: Nature

Postar um comentário

3 Comentários

  1. Olá Geraldo =)
    Como sempre seu blog nos trás informações relevantes. Gosto muito de ler a Nature, confesso que - com tanta informação - esqueço-me de passar por lá . Obrigada por lembrar-me .
    Gostei imenso da sua visita lá no blog :)
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Eninha,

      A Nature é uma excelente publicação..gosto muito de ler os artigos de lá..

      Abraço e obrigado pela visita e comentário

      Excluir
  2. Geraldo, este seu blog é demais!

    Quando leio assuntos cientificos tão relevantes, logo me lembro de meu pai. Ele era uma pessoa com a mente conectada com o futuro, quando parecia um absurdo, acredite, ele já falava sobre celulas tronco!

    Este estudo é ao mesmo tempo interessante quanto assustador. Porque precisará ver se a origem está na celula-tronco e solucionar. De outro lado, penso que existe um avanço, e quem sabe é questão de poucos anos para o cancer ser quase que totalmente vencido.

    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar!! Volte Sempre!!