Rutenio, uma nova esperança no tratamento do câncer

O tratamento do câncer muitas vezes é feito com medicamentos com efeitos colateriais  graves, um deles é a cisplatina, indicada no tratamento do câncer, tumores da cabeça e pescoço, pulmão, esofagiano, tireóide, mama, próstata, testículo, bexiga, colo do útero, ovário, tumores germinativos, sarcomas, linfomas, neuroblastoma e melanoma maligno. (¹)

Os efeitos colaterais além de náuseas, vômitos, anemia e insuficiência  renal, apresenta quadro com o monitoramento da função renal e hepática, bem como possíveis alterações neurológicas e auditivas, antes e depois da terapia com cisplatina.

A capacidade da cisplatina de impedir a replicação (multiplicação) das células, não discrimina entre células saudáveis ​​e aqueles dentro de tumores.

"Às vezes parece que estes tratamentos são tão danosos ou piores que a doença", diz Edith Glazer da Universidade de Kentucky . Ela e seus colegas pensaram que poderiam construir um tratamento mais específico através da concepção de um pró-fármaco, um complexo que não é tóxico até ser ativado por um estímulo externo.

O elemento estudado para a experiência foi o rutenio (²) tal como o ferro, o rutênio pode se ligar à transferrina (siderofilina), a proteína do plasma que leva o ferro aos órgãos. Mas, em vez de se espalhar pelo corpo, ele se acumula nos tumores, atraído pelas células cancerosas que têm cerca de 5 a 15 vezes mais receptores de transferrina do que as células normais. 

Com isso, o metal age diretamente na célula cancerosa e a destrói. Além da sua grande precisão, se comparados à ação da cisplatina, certos complexos de rutênio conseguem evitar a propagação do câncer para outras partes do corpo.

Questionamentos permanecem, diz Peter Sadler da Universidade de Warwick , Inglaterra, sobre a toxicidade e a atividade destes compostos em animais e pessoas. Glazer planeja colaborar com outros pesquisadores para testar estes compostos e outros em experiências com animais. 

(²) O rutênio é um metal pouco abundante que geralmente é encontrado na natureza junto com os demais metais do grupo da platina. Fonte: Quimica Nova na Escola 

Fonte:  C&EN

Postar um comentário

1 Comentários

Obrigado por comentar!! Volte Sempre!!