A quimica do olfato

Não é fantástico, quando a ciência explica, neste caso através da quimica, como funciona certas situações corriqueiras do nosso dia-a-dia? Confira neste artigo sobre quimiosensores.

Em menos de um segundo somos capazes de detectar, no ar, a presença de substâncias em concentrações tão baixas que nenhuma máquina construída pelo homem detectaria.


O olfato é o mais antigo - e um dos mais intrigantes - sentidos desenvolvidos pelo homem. Ele depende de receptores sensoriais que respondem à presença de certas moléculas na atmosfera. Nos humanos, estes quimiorreceptores estão localizado no epitélio oftactatório - um pedaço de tecido do tamanho de um selo postal, localizado na cavidade nasal.

Este tecido é recoberto de cílios e uma camada de muco. As moléculas gasosas são dissolvidas no muco e, então, interagem com os receptores. Isto ativa uma enzima, a adenilil ciclase, que cataliza a conversão de ATP ao AMP cíclico (cAMP).

O cAMP ativa um canal de Na+, gerando um potencial de despolarização ao longo da membrana. Este impulso é transmitido pelos nervos olfactatórios até o cérebro, que, computando outros estímulos sensoriais, interpreta o impulso como um odor - muitas vezes acionando áreas da memória que relacionam o particular odor com algo já experimentado antes.

Você sabia?

As células do paladar e do olfato são as únicas do sistema nervoso que são substituídas quando velhas ou danificadas.

Existem várias doenças associadas ao paladar e olfato, tal como a anosmia, que caracteriza-se pela perda completa do olfato, ou a ageusia, que corresponde à perda total do paladar. As maiores causas são infecções no trato nasal, distúrbios hormonais ou problemas com os dentes.

Existem basicamente três sistemas de quimiossensores no nariz e na boca. O primeiro, do olfato, confere a habilidade de identificar odores. O segundo, do paladar, detecta o sabor, tal como doce, amargo e azedo. E, finalmente, existe um tipo especial de células quimiossenssoras, localizadas na superfície do olho, gartanta, boca e nariz, que detectam a presença de substâncias irritantes, tais como amônia, mentol e pimenta.


Fonte: QMCWEB

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Ainda bem que meu paladar e olfato tem celulas substituídas. Eu vivo queimando o ceu da boca... kkkkk...nada fica bom durante!

    A minha tia, apos operação na cabeça, perdeu totalmente o olfato. Ela não sente cheiro de nada, nem de comida saborosa feita por ela.

    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar!! Volte Sempre!!