A censura, o não pensamento e ideologias impostas..

Começando este artigo com uma expressão de um professor que ministrava a cadeira de Marketing II, para estudantes do curso de Administração de Empresas na PUC/RS, no final dos ano 80. A expressão que não esqueço até hoje: "Pensar não cheira!

GO FREEDOM...
Image by jonycunha via Flickr
Fiquei anos com aquela expressão na cabeça, quando colei grau no curso citado, as ideologias de esquerda estavam em vias de se desestabilizarem, com a Perestroika de Gorbachev e abertura política no Brasil também já havia sido aprovada. Por um lado professores militando claramente ideologias de esquerda, como o livro obrigatório em Estudos de Problemas Brasileiros I, As Veias Abertas da América Latina. 

O professor disse que ninguém seria aprovado na cadeira sem ler o livro, provei ao contrário (mas não vou me extender nisto).   Outros faziam campanha para outros candidatos, nunca fui nem no céu e nem na terra, explico logo abaixo.

Mais uma vez usando o Túnel do Tempo, lembrei que a ditadura militar impôs também várias alterações no sistema de ensino, fui figurante nelas, a saber, nos planos de reestruração dos Ensinos de 1º e 2º Graus (atualmente ensino fundamental e médio). 

Além da reestruturação do ensino, reestruturou-se os currículos das escolas de primeiro e segundo graus criando a disciplina de Educação Moral e Cívica e dando uma nova abordagem a disciplina de OSPB (Organização Social e Política do Brasil) com o objetivo de transmitir a ideologia calcada nos princípios da Segurança Nacional. 

Além disso, transformaram as disciplinas de História e Geografia em Estudos Sociais, levando ao esvaziamento dos conteúdos, fazendo-os regredir ao método mnemônico, fazendo o aluno decorar datas, nomes e fatos importantes da nossa história com vistas ao desenvolvimento do nacionalismo, elemento importante na formação do indivíduo para a efetiva manutenção do regime instituído.

Dessa forma, os militares não se preocuparam em edificar e planejar uma escola com base no desenvolvimento do senso critico, porque colocaria em risco os planos arquitetados pela Escola Superior de Guerra. 

Com isso, as disciplinas (OSPB, Educação Moral e Cívica e Estudos Sociais) representaram o marco estratégico da propagação da ideologia defendida pelo Regime Militar. Sendo assim, os conteúdos foram planejados e direcionados para um paradigma propagandístico e cívico de educação em comum acordo com a política repressiva do governo militar.

No ensino superior foi instituído as cadeiras de Ensino dos Problemas Brasil (em dois semestres) em todos os cursos, de frequencia e aprovação necessárias para conclusão do curso.

Todas estas alterações foram efetivadas pela Lei 5.692, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, em 1971.

Mas eu fui educado para pensar e ter senso crítico na minha escola, fazendo os meus próprios juízos de valor, pratica que levei para minha vida.

Quando vejo propaganda, campanhas ou politicos fazendo declarações totalmente fora de contexto do admissível, vejo o grande desserviço que as ideologias fazem com os cidadões.

Não importa se o viés é de esquerda ou de direita, toda a tentativa de dominar e doutrinar os pensamento é nociva, degradantes e desumana. Fiz uma vez um teste para descobrir minha posição política se fosse morador dos EUA. No Brasil, nem precisa, já sei o que quero (nem que seja utópico). O resultado foi Independente, mas que poderia votar nos Democratas. 


Achei interessante o resultado, independente foi sempre que meu pensamento quis ser.

E você, caro (a) leitor (a) gosta de pensar pela sua própria cabeça ou prefere ser conduzido?

Postar um comentário

3 Comentários

  1. Geraldo, só voce mesmo pra me mostrar uma nova expressao. ahahaha

    ResponderExcluir
  2. mas bah guriiiiii
    se metade do povo agisse como tu
    talvez as coisas naum andariam do jeito q anda
    claro sempre pensar por si sem sombra de duvida
    bjim guri

    ResponderExcluir
  3. Oii Geraldo

    Infelizmente a maioria das pessoas são influenciadas pelo meio, são poucos que tem atitude de pensar e questionar e ser o diferente, pois precisa de coragem para ir contra a multidao, eu mesmo tenho minhas proprias opiniões e valores, nao sou uma pessoa influenciavel, prefiro ser chamada de diferente do que maria vai com as outras.Temos que pensar, ser criticos e questionar se for preciso, pois as pessoas que nao tem opiniao propria nao tem brilho, sempre vivem na sombra dos outros.
    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar!! Volte Sempre!!