Educação medieval, o bufão e falta de modos

Aqueles que me conhecem sabem que gosto de história medieval.  Este período de mil anos, que compreende do século V com as invasões bárbaras ao Império Romano do Ocidental até o século XV, com a retomada comercial e o renascimento urbano, transforma-se no minha motivação para escrever o presente artigo. 

Falarei mais especificamente na figura do bufão, que segundo a Wikipédia era o nome pelo qual era chamado o "funcionário" da monarquia encarregado de entreter o reis e rainha e fazê-los rirem. Muitas vezes eram as únicas pessoas que podiam criticar o rei sem correr riscos.O bufão teve origem no Império Bizantino. No fim das Cruzadas, tornou-se figura comum nas cortes européias, e seu desaparecimento ocorreu durante o século XVII. Vestia uniformes espalhafatosos, com muitas cores e chapéus bizarros com guizos amarrados.

No nosso mundo digital não é raro encontrar-los, são aqueles que vivem fazendo piadas inconvenientes, comportamentos toscos e atitudes de puro deboche, querem aparentar bom humor, mas acabam sendo, na realidade, pessoas que escondendo seus problemas, tentam desqualificar opiniões e comportamentos de terceiros. 

Por isto apenas tenho a dizer aos bufões do mundo digital:  a vocês é reservado o mundo do Coringa, o eterno adversário (inimigo) do Batman, não existe ninguém que vive sorrindo a todo o momento, podendo ser portador de sérios problemas mentais, (já falei sobre isto no artigo Comportamentos Histriônicos na Blogosfera ) está sempre desconectado da realidade, vive em um mundo imaginário. Ele até pintou um sorriso no rosto para enganar as pessoas. Seu sorriso é artificial. É pintado e não verdadeiro. É forçado e não natural.

Frases de efeito dos bufões assim como o sorriso do Coringa, são falsas e artificiais.  Então simplesmente ignore quando ele tentar desconsiderar seus textos, suas opiniões e seu comportamento, a eles é dado a superficialidade e a você a realidade.

Postar um comentário