O apagão, desmonte e caos do ensino médio público brasileiro

O que causou o crescente apagão  no ensino médio brasileiro ? Fico perguntando também, impressionado fico com a falta de leitura de autores clássicos. Exemplo contrário foi quando minha filha no terceiro ano do ensino fundamental teve contato com uma obra de Shakespeare, infelizmente foi caso isolado. Vejo hoje que os cursos de licenciatura e pedagogia carecem de leitura de autores que permitem formam opiniões críticas. Não vejo ou pelo menos não estão disponíveis debates públicos sobre obras de Platão, Rosseau ou Pestalozzi. 
 
Alguém discute obras de Dostoievsky ou Maiakovsky ?

Você poderia comentar esta afirmação de Dostoesky : "Não será preferível corrigir, recuperar, e educar um ser humano que cortar-lhe a cabeça?"

Olhe a mensagem alerta de Maiakovsky : DESPERTAR É PRECISO

"Na primeira noite eles aproximam-se e colhem uma Flor do nosso jardim e não dizemos nada.

Na segunda noite, Já não se escondem; pisam as flores, matam o nosso cão, e não dizemos nada.

Até que um dia o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua e, conhecendo o nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E porque não dissemos nada, 
 
Já não podemos dizer nada."


Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), a rede tem uma falta de 235 mil professores no ensino médio. Além disso, o contingente de professores existente é mal formado. Mas como fazer a correta formação se o cansaço de uma jornada que muitas vezes é cumprida em três turnos, os impede de fazer a questão da capacitação extra-curricular em fins de semana que estão exaustos, isto tudo para garantir uma remuneração menos aviltante. Até hoje lembro-me de um professor de física no ensino médio em escola pública que lá pelas 22h nos disse: "Hoje já dei e expliquei este exercício 14 vezes", culpa dele pelo cansaço e impaciência em explicar mais uma vez?  Culpa dos alunos? Quando o sistema de ensino público chega neste colapso o que disser? 

Este caso foi no início do anos 80, de lá até hoje o que mudou? Com certeza não foi para melhor. Os cursos de licenciatura estão de cheios de disciplinas que não ajudam em nada a formar o educador e muito menos o capacitar para ensinar as futuras gerações o minimo indispensável para não cometer erros grosseiros.

Você ri das pérolas do ENEM? eu não, ao contrário, dá vontade de chorar, porque sei que ali o professor não conseguiu passar o conhecimento e nem formou e muito menos agregou uma informação necessária para a vida daquele estudante.

Já escrevi aqui no blog uma artigo Nossa Educação não é Olimpíca  e continuo com a mesma impressão depois que vejo abstenção de 46,9% na prova do ENEM em São Paulo e de 37,7 % em média no restante do país.
 
Pobre Brasil, até quando a educação será relevada para quarto, quinto ou sexto plano? 

Postar um comentário

1 Comentários

  1. foi um dos melhores textos que li.
    Logicamente perguntar aos jovens e adolescentes quem são Dostoievsky ou Maiakovsky. Eles vao achar que são novas celebridades a serem seguidas no twitter ou Orkut.
    ahahhaha
    Ou os mais novos pensarem que são novos jogos on line.
    Disso eles entendem perfeitamente.
    abçs

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar!! Volte Sempre!!