Educação no Brasil, prioridade zero

Pela primeira vez em seus 129 anos, a revista americana Science dedicou sua capa à pesquisa de um brasileiro, o neurocientista Miguel Ângelo Laporta Nicolelis. 

Para quem não sabe a respeito da Revista Science : é o nome de uma das mais prestigiadas revistas científicas do mundo. É publicada pela American Association for the Advancement of Science (AAAS). Seus artigos são submetidos ao processo de revisão paritária e sua tiragem semanal é de 130 mil exemplares, além das consultas online, o que eleva o número estimado de leitores a 1 milhão. Foi fundada em 1880.
Paulistano de 48 anos, Nicolelis dirige, desde 1994, o Centro de Neurociência da Universidade Duke, na Carolina do Norte, nos Estados Unidos. Nicolelis é uma referência mundial na pesquisa da interface entre o cérebro e os computadores. Há anos ele trabalha com implante de próteses no cérebro de pacientes paralisados com lesões na medula – seu objetivo é permitir que voltem a andar, controlando trajes robóticos com o pensamento. Em seu novo estudo, ele ampliou a aplicação de sua pesquisa: Nicolelis deu uma nova direção às tentativas de curar o mal de Parkinson. “Com este artigo da Science, abri uma nova frente de trabalho”, diz. 

Agora vocês imaginem o que o paulistano está fazendo nos EUA? Ainda mais dirigindo um Centro Neurociência da Universidade Duke. Só para constar é uma universidade privada para ambos os sexos (co-educacional), que localiza-se em Durham, no estado da Carolina do Norte, nos Estados Unidos da América. Embora fundada em 1924, a Duke tem suas raízes em 1838. É uma das universidades mais prestigiosas no mundo.

Será que no Brasil teríamos condições de manter este cientista? Chance zero!!! Aqui não é um país que investe na educação, preferindo políticas assistencialistas e não construtivas. Investir em melhores condições de ensino seja ele fundamental, médio ou superior está fora de questão. Os episódios envolvendo as provas do ENEM estão ai para mostrar o despreparo em que nos  mostram o quadro triste da nossa estrutura educacional.

Enquanto acumulamos Copas do Mundo, Copa América e vários outros "títulos relevantes", os EUA acumulam Prêmios Nobel, o verdadeiro trófeu da excelência em educação e pesquisa científica. Existe "lobby" para indicação dos prêmios? Claro que existe, mas será que será só isto?

Só de Harvard saíram 6 presidentes norte-americanos inclusive Barack Obama e 75 prêmios Nobel, isto é pouco?

Já tratei da condições precárias do nosso ensino neste artigo do blog.

Então, enquanto a educação for prioridade zero do nosso governo vamos apenas assistir pela mídia os sucessos dos outros e pensar no nossos sonhos megalomaníacos (Copa e Olímpiada) afinal como falar de educação de qualidade se nunca foram apresentados a distinta?

Fico por aqui

(Com informações do site nominuto.com , Revista Época  e Wikipédia )

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Geraldo, parabéns e obrigado por essa análise da (falta de) educação no Brasil. Tive o prazer de reproduzi-lo no meu blog, com a devida referência:

    http://www.consciencia.blog.br/2009/12/mais-um-texto-sobre-falta-de-qualidade.html

    Abs

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar!! Volte Sempre!!