O Cinto que salva

Cinto de segurança poderia ter evitado morte de Milar

Jogador estava sem o cinto de segurança e, por isso, foi lançado para fora do ônibus.

 Uma das cenas mais impressionante do acidente é também uma revelação de que parte da tragédia poderia ter sido evitada. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o jogador uruguaio Claudio Milar estava sem o cinto de segurança e, por isso, foi lançado para fora do ônibus. Ele acabou morrendo esmagado pelo veículo.

– Não dá para dizer se ele sobreviveria ou não, mas não seria esmagado pelo veículo. As chances dele seriam bem maiores – opina Alessandro Castro, chefe de comunicação da PRF.

Ficar desprotegido dentro do ônibus é uma imprudência comum e que pode ser expressa em números. Menos de 3% dos usuários de ônibus aderem ao uso do cinto de segurança, segundo dados da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Sem a proteção, os passageiros são candidatos a se transformar em projéteis humanos.

– Nos ônibus, as vítimas podem ser lançadas do fundo do veículo até a frente. No caso de tombamento e capotagem, muitas vezes, ficam batendo de um lado para o outro, aumentando as chances de lesões – explica o presidente eleito da SBOT, Osvandré Lech.

Em uma situação dessas, a pessoa vira uma espécie de bola de pingue-pongue, chocando-se contra as paredes, o teto e o chão do veículo.

Os cintos utilizados nos ônibus são de dois pontos de fixação. Apesar de não ser o ideal, pois deixa o tórax livre, o modelo mantém o passageiro preso ao banco e protege órgãos e ossos da altura da barriga para baixo. Segundo Lech, é urgente a necessidade de uma mudança cultural entre os brasileiros para evitar novas mortes.

– Cinto é para ser usado sempre, mesmo que seja desconfortável. Se for dormir no ônibus, a pessoa pode afrouxá-lo um pouco – diz.

Fonte: zerohora.com

 

Postar um comentário

2 Comentários

  1. É isso aí, Geraldo. Muita gente só se convence depois de levar um susto. Poderiam ler relatos como esse e adiantar o processo de adotar o cinto como rotina e não como "perda de tempo".

    Abração

    ResponderExcluir
  2. Muitos não levam a sério o uso do cinto de segurança. Meu pai com certeza não teria morrido se estivesse usando cinto, pois a causa da sua morte foi uma hemorragia pulmonar devido ao choque com o volante, não teve nenhum outro ferimento.
    A obrigatoriedade do cinto de segurança deveria ser estendida aos transportes de passageiro.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar!! Volte Sempre!!