Papo furado

- Iminência...

- Você quer dizer "eminência".

- O quê?

- Você disse "iminência". O certo é "eminência".

- Perdão. Sou um servo, um réptil, um nada. Uma sujeira no seu sapato de cetim. Mas sei o que digo. E eu quis dizer "iminência".

- Mas está errado! O tratamento certo é "eminência".

- Não duvido da sua eminência, monsenhor, mas o senhor também é iminente. Uma iminência eminente. Ou uma eminência iminente.

- Em que sentido?

- No sentido filosófico.

- Você tem dois minutos para se explicar, antes que eu o excomungue.

- Somos todos iminentes, monsenhor. Vivemos num eterno devir, sempre às vésperas de alguma coisa, nem que seja só o próximo segundo. Na iminência do que virá, seja o almoço ou a morte. À beira do nosso futuro como de um precipício. A iminência é o nosso estado natural. Pois o que somos nós, todos nós, se não expectativas?

- Você, então, se acha igual a mim?

- Nesse sentido, sim. Somos co-iminentes.

- Com uma diferença. Eu estou na iminência de mandar açoitá-lo por insolência, e você está na iminência de apanhar.

- O senhor tem esse direito hierárquico. Faz parte da sua eminência.

- Admita que você queria dizer "eminência" e disse "iminência". E recorreu à filosofia para esconder o erro.

- Só a iminência do açoite me leva a admitir que errei. Se bem que...

- Se bem quê?

- Perdão. Sou um verme, uma meleca, menos que nada. Um cisco no seu santo olho, monsenhor. Mas é tão pequena a diferença entre um "e" e um "i" que o protesto de vossa eminência soa como prepotência. Eminência, iminência, que diferença faz uma letra?

- Ah, é? Ah, é? Uma letra pode mudar tudo. Um emigrante não é um imigrante.

- É um emigrante quando sai de um país e um imigrante quando chega em outro, mas é a mesma pessoa.

- Pois então? Muitas vezes a distância entre um "e" e um "i" pode ser um oceano. E garanto que você terá muitos problemas na vida se não souber diferenciar um ônus de um ânus.

- Isso são conjunturas.

- Você quer dizer "conjeturas"

- Não, conjunturas.

- Não é "conjeturas" no sentido de especulações, suposições, hipóteses?

- Não. "Conjunturas" no sentido de situações, momentos históricos.

- Você queria dizer "conjeturas" mas se enganou. Admita.

- Eu disse exatamente o que queria dizer, monsenhor.

- Você errou.

- Não errei, iminência.

- Eminência! Eminência!
 Luiz Fernando Verissimo
Fonte:  Jornal ZH, 20/07/2008

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Outro dia lendo um artigo, topei com uma destas. O autor falava sobre experiência e escreveu experto com "s", quando deveria ter escrito com "x". Lembro que, pensando no significado exato das palavras, achei o texto bem engraçado.
    A língua portuguesa, exige cuidados redobrados.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar!! Volte Sempre!!