Cancer

Sangue

30 de janeiro de 2017

Câncer colorretal, tipos comuns e raros

responsável por 10% dos casos mundiais de câncerO câncer colorretal (CCR) é o terceiro câncer mais comum em todo o mundo, responsável por 10% da carga global de câncer. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Brasil, a estimativa de novos casos era de 34.280, sendo 16.660 homens e 17.620 mulheres (2016 - INCA).

Veja a seguir os tipos de câncer de intestino e sua ocorrência:


Câncer de intestino pode começar no intestino grosso (cólon) ou a passagem de volta (reto).Também é dividido em diferentes tipos, dependendo do tipo de célula que o seu cancro começou. Sabendo isso ajuda o seu médico decidir qual o tratamento que você precisa. 

Adenocarcinoma 

Adenocarcinomas começam nas células da glândula no revestimento da parede intestinal. As células da glândula normalmente produzem muco. Esta é uma substância viscosa que torna mais fácil para passar através do intestino. O adenocarcinoma é o tipo mais comum de câncer de intestino. 

Existem 2 tipos raros de adenocarcinoma:

Tumores mucinosos
Tumores do anel de sinete 

Eles são tratados da mesma forma que os tipos mais comuns de adenocarcinoma do intestino.

Tipos raros de câncer de intestino:

Tumores de células escamosas 

Células escamosas são as células da pele que compõem o revestimento intestinal, juntamente com as células da glândula. Eles são tratados da mesma forma que o câncer do ânus. 

Tumores carcinóides 

Carcinóide é um tipo de tumor de crescimento lento chamado tumor neuroendócrino. Eles crescem em hormônio produzindo tecido, geralmente no sistema digestivo. 

Carcinóide é tratado de forma diferente para os tipos mais comuns de câncer de intestino. 

Sarcomas 

Os sarcomas são cancros das células de apoio do corpo, tais como osso ou músculo. A maioria dos sarcomas no intestino são chamados leiomiossarcomas. Isto significa que são sarcomas que começaram no músculo liso. 

Os sarcomas são tratados de forma diferente aos adenocarcinomas do intestino. 

Linfomas 

Os linfomas são cancros do sistema linfático. Eles são tratados de forma muito diferente de outros cancros do intestino.

7 de janeiro de 2017

Câncer de cólon, um novo olhar para exames preventivos

novo olhar sobre exames preventivos
O câncer de cólon continua a ser a segunda maior causa do país de mortes relacionadas ao câncer e o terceiro câncer mais comum entre os homens. Segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer, em 2016, no Brasil, novos casos seriam de 34.280, sendo 16.660 homens e 17.620 mulheres


Ela quase sempre se desenvolve a partir de pólipos pré-cancerosos (crescimento anormal). Testes de triagem, que são recomendados para homens idades 50 a 75, ajudar a encontrar e às vezes ajuda remoção de pólipos antes que eles se tornam câncer. (Homens com mais de 75 anos ainda podem se beneficiar, dependendo da sua saúde.)

No entanto, muitos homens os evitam. "A realidade é que quando se trata de exame do câncer do cólon, os homens só pensam em uma colonoscopia, que é invasiva e requer uma preparação intestinal e sedação intravenosa", diz o Dr. Leigh Simmons, diretor médico do Health Decision Sciences Center , afiliado do Harvard  Massachusetts General Hospital (EUA). 

Mas há outros testes que podem ser uma opção melhor, especialmente para homens de baixo risco.

Como os homens envelhecem, eles precisam ser ainda mais diligente sobre sua saúde, e que inclui ser proativo sobre a prevenção do câncer e detecção precoce. 

"Você tem mais pessoas dependentes de você para se manter saudável, como netos, família e amigos, e seu risco de câncer de cólon aumenta significativamente após 50 anos", diz o Dr. Simmons.

Para ajudar a destacar a urgência de exames regulares de câncer de cólon, a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA (USPSTF) publicou recentemente diretrizes atualizadas que identificaram sete métodos aprovados e sua eficiência com base nos mais recentes ensaios clínicos. 

Eles foram divididos em dois grupos: testes de fezes e testes de visualização direta.

Embora o USPSTF não endossar qualquer teste específico, o seu relatório realça a urgência do teste. "O melhor teste de triagem para o câncer de cólon é o que é feito", diz o Dr. Simmons. Consulte seu médico sobre seu risco potencial (consulte "Você está em alto risco?") E qual opção de rastreamento pode ser adequada para você.


Testes de rastreio do cancro do cólon

Testes de fezes

  • Oculto fecal baseado em Guaiac
  • Exame de sangue (gFOBT)
  • O teste imunoquímico fecal (FIT)
  • Teste de DNA de fezes direcionadas

Testes de visualização direta

  • Colonoscopia
  • CT colonografia
  • Sigmoidoscopia flexível
  • Sigmoidoscopia flexível com FIT

Você está em alto risco?

Você deve ser rastreado cedo e com mais freqüência se qualquer um dos seguintes se aplicam:
  • Uma história familiar forte (pais, irmãos, tias, tios ou primos)
  • De câncer de cólon ou pólipos
  • Uma história pessoal de doenças inflamatórias do intestino como colite ulcerativa ou doença de Crohn
  • Uma história familiar de uma síndrome do câncer colorretal hereditário, como a polipose adenomatosa familiar (FAP) ou a síndrome de Lynch (câncer de cólon hereditário não polipose).

3 de dezembro de 2016

Câncer de pele, o que é?

a prevenção é melhor alternativa
A doença é provocada pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. 

Estas células se dispõem formando camadas e, de acordo com a camada afetada, definimos os diferentes tipos de câncer. Os mais comuns são os carcinomas basocelulares e os espinocelulares. Mais raro e letal que os carcinomas, o melanoma é o tipo mais agressivo de câncer da pele. 

A radiação ultravioleta é a principal responsável pelo desenvolvimento de tumores cutâneos, e a maioria dos casos está associada á exposição excessiva ao sol ou ao uso de câmaras de bronzeamento.

Apesar da incidência elevada, o câncer da pele não-melanoma tem baixa letalidade e pode ser curado com facilidade se detectado precocemente. Por isso, examine regularmente sua pele e procure imediatamente um dermatologista caso perceba pintas ou sinais suspeitos.

Fonte: SBD

25 de novembro de 2016

Anti-inflamatórios, novo estudo recomenda cautela


novo estudo
Uma noticia divulgada na semana passada sobre o celecoxib mostra como ela pode ser desafiadora para entender os riscos e benefícios dos medicamentos recentemente desenvolvidos.

Isto é particularmente verdadeiro quando os resultados de um estudo em contradição com os resultados de estudos anteriores. E isso é exatamente o que aconteceu com o celecoxib.

Anti-inflamatórios: prós e contras


O FDA aprovou celecoxib (Celebrex) em 1999. Este medicamento anti-inflamatório pode ser um tratamento altamente eficaz para artrite e outras condições dolorosas. 

Foi desenvolvido com a esperança de que seria, pelo menos, tão eficaz como outros medicamentos anti-inflamatórios (tais como o ibuprofeno ou naproxeno), mas causam menos irritação do estômago. 

Desenvolver um medicamento mais seguro anti-inflamatório é um objetivo digno, uma vez que a irritação do estômago pode não só causar dor irritante ou náuseas, mas também pode levar a úlceras, hemorragia ou perfuração. Estes medicamentos também pode aumentar a pressão arterial e causar problemas renais.

Um novo estudo abrangeu 926 centros médicos em 13 países e registrou mais de 24.000 pacientes com dois dos tipos mais comuns de artrite (osteoartrite e artrite reumatóide). 

Cada objeto de estudo tinha um maior risco médio para a doença cardiovascular devido a um histórico de pressão alta ou colesterol alto.

O estudo prevê um grau significativo de garantia sobre os riscos cardiovasculares do celecoxib. E isso pode incentivar os médicos que achavam que a droga era demasiado arriscado para prescrevê-lo com mais freqüência.
Essa nova pesquisa mostra de forma dramática por que "é necessária mais investigação" não é apenas um slogan no final de tantas notícias médica. E no caso do celecoxib, o resultado da pesquisa adicional é uma boa notícia, de fato.
Fonte: HHP

18 de novembro de 2016

Fazendo as pazes com seus micróbios

uma aliado a nossa saúde
Os microrganismos que habitam o seu corpo podem ser aliados valiosos na redução da inflamação e tratamento da doença.

Não muito tempo atrás, pensamos em todos os germes como inimigos a serem destruídos com sabonetes anti-bacterianos e antibióticos. Nos últimos anos, tornou-se evidente que a guerra contra os micróbios não é apenas um empreendimento fútil, mas também aquele que poderia ser prejudicial para a nossa saúde. 

Quanto mais aprendemos sobre o microbioma - os humanos tem  trilhões de organismos unicelulares que colonizam a nossa pele, nariz, sistema digestivo, e na vagina -  mais percebemos que os bichos microscópicos que vivem em nós e em nós pode ser tão importante para a nossa saúde como células do nosso corpo.

"Sabendo que tipo de micróbios são normalmente encontrados em pessoas saudáveis ​​podem nos ajudar a compreender os papéis que as mudanças nas populações microbianas desempenham na doença", diz o Dr. Curtis Huttenhower, professor associado de biologia computacional e bioinformática no Departamento de Bioestatística Harvard TH Chan escola de Saúde Pública

Como os micróbios podem influenciar nossa saúde

Micróbios funcionar muito como nossas células do corpo. Eles levam em nutrientes e quebrá-los para fornecer a energia de que necessitam para crescer e se reproduzir. No processo, eles secretam moléculas que são acolhidos por células do nosso corpo.
Os efeitos destes produtos microbianos podem ser quer prejudicial ou benéfico. 

Por exemplo, Clostridium tetani bactéria - o responsável por tétano- secreta uma toxina que age sobre as células nervosas para criar as poderosas contrações musculares responsáveis pela tétano. 

Por outro lado,Bifidobacterium , que digere fibra dietética no cólon, produz ácidos gordos de cadeia curta, que estimulam o crescimento das células do sistema imunológico que controlam a inflamação. 

Um micróbio vaginal,Lactobacillus , alimenta-se de açúcares e produz ácido láctico, o que desencoraja outras bactérias responsáveis por infecções vaginais..


Por que a diversidade microbiana é importante

A diversidade é a chave para as populações microbianas benéficas. Não só faz uma ampla gama de micróbios significa uma maior variedade de subprodutos de bactérias para as células do corpo para usar, ele também deixa menos território para as bactérias causadoras de doenças que ocupam. É por isso que a nova abordagem de micróbios é dirigido a manter um equilíbrio saudável de germes por todo o corpo.

Noticia

Noticia
Tecnologia do Blogger.